A noite escura,

o vento uivando,

tanta secura.

Os cães ladravam

para a lua, para as estrelas

que brilhavam.


Nos becos

em silêncio, ratos

causavam ecos.

Aos poucos, a rua

ia sendo tomada pela

indiscreta íngua,


que, por gula,

criava estranha

vírgula

que ia abrindo

estranha inflexão

na nossa rota.


Sem reflexão,

o flagelo foi crescendo

na escuridão.

A lua,

de fase em fase

ia iluminando a charrua,


preparando

a alma

─ com calma! ─

causando êxtase,

dando ênfase,

dizendo: evolua!


Não sei

se por sorte,

passou a noite,

a morte

não suportou

o zênite!


( por Giovani Miguez )




POÇA


a poça d'água

acumulada pela chuva

diz muito sobre a sociedade

que leva uma vida imunda.



FREIRIANA


se não transforma,

a educação não liberta.

informa...

deforma...


se não é amorosa,

é apenas informação.

briosa...

penosa...


(para Paulo Freire)



RUÍDOS


pensar...

eis o movimento.

pensamento...

eis o falso silêncio.

nada tem mais ruído,

mais agitação

que minha tola

pensação.



BIBLIOTERAPIA


em noites sem qualquer texto,

meu coração parece parado.

quando um livro me abandona,

sinto-me desencantado.

o livro me favorece

quando ele oferece um contexto.

leitura, para mim, é cuidado,

é terapia, é prece.



PRACINHA


enquanto balançam,

os pequenos meninos ensaiam

seus voos imaginários.


sentem a brisa

no vai e vem do embalo.

sincronia precisa!


(dois haicais no parquinho)



ALVISSAREIRAS


na crista das palmeiras,

aves dançavam e cantavam.

alvissareiras!


maracanãs fogosas

embriagadas com sementes.

verão iminente!


(dois haicais nos mesmo galho)



TÉDIO


a viagem

é entediante.


a conversa

é entediante.

a rotina

é entediante.

o tédio

é a rotina

da conversa,

da viagem.

da incapacidade

de criar oportunidade.



NÃO É SIM!


não é não!

se mesmo assim

você insistir

é violência,

não importa

a ocasião!

não é sim,

é não!



ATRAÇÃO


nada me atrais mais

que uma relação sem mas,

que um afago no coração

sem um senão,

ou que um abraço

sem embaraço.



POESIA ESSA


um poema expressa

sem qualquer pressa

uma percepção expressa

pela vida sem pressa

em que o poeta tropeça

e produz sua peça

com poesia impressa.



HOMENS


não há fragilidade maior

do que homem ser frágil,

estar na pior, e ainda assim

arrogar-se melhor.


não há estupidez maior

do que homem mesmo frágil

negar a própria fragilidade

por boba masculinidade.



POEMA CURTO


prefiro rabiscar

um poema curto,

pois pensamentos

longos se perdem,

e não curto!

antes de escrever,

o poema encurto.



VASTIDÃO QUE SOU


quando aquieto meu interior,

consigo conviver com a vastidão

do mundo exterior.

na quietude da minha mente,

quando torno sereno meu coração

é que me torno consciente

da vastidão que sou

e do quanto o mundo

se apequenou.



ANDO CARENTE


ando carente,

precisando de gente,

mas gente de verdade,

que fale com sinceridade

sobre esse duro dilema

que é existir sem poema,

sem a magia da beleza

e a gentileza da poesia,

nesse mundo perverso,

sem verso.



IMPRESSÕES


na calçada, doente,

definha o pobre pombo.

animal indigente.


homem roto,

em seu lar de quinquilharia,

serenamente escrevia.


(dois haicais)


_

Poemas do Livro “Animal Poético"

Para adquirir, clique em abre.ai/sigaapoesia

_


Atualizado: há 5 dias

( lendo Espantografias, de Alberto Pucheu)


Hoje, pelas ruas, flanei.

Enquanto, a esmo, vagueava

minha mente deliberava

sobre o mundo que ela, atenta,

alcançava.


No flanar do corpo, a mente,

em pensamento, afagava

tudo o que alcançava,

tudo o que, esteticamente,

espanto lhe causava.


No meu flanar,

pensei ser o mundo, ali,

observado,

um poema encerrado

em si mesmo.


Toda a poesia

colapsava na existência

do mundo-poema

como documento,

como ciência.


por Giovani Miguez, em Propositum.