Recebi esta mensagem:


"Olá poeta, tenho tantas perguntas a fazer... Diga-me poeta, é possível eu ser poeta mesmo sem ter livro impresso? Mesmo não sabendo conjugar o verbo? Mesmo, por vezes, não saber usar a crase? Tenho tantas questões poeta, não me tome por sarcasmo, estou sendo sincero poeta. Tenho sofrido com meu próprio julgamento, quando componho eu vejo talento, porém tanto talento me falta quando se trata de mostrar minha poesia ao mundo. Sinto-me criatura de outro mundo, de outro tempo. Então me diga poeta, faça o seu julgamento dessas poucas palavras que lanço a esmo, sem critérios pré estabelecidos, apenas com o fraco esforço de rima, é possível eu ser poeta?"



Daí, resolvi responder abertamente:


Irmão:


quanta questão difícil. Suas perguntas merece um livro para responder à altura.


Sobre "ser poeta sem ter um livro", digo apenas o seguinte: livro é só vaidade. Para ser poeta, você deve viver mergulhado na poesia e transformar suas inquietações em poemas, prosas poéticas e por ai vai.


É claro que conhecer os movimentos literários, os tipos de poemas (soneto, haicai, dísticos, aldravias etc) faz parte do processo. Para isso, é preciso ler. Antes de ser poeta deves ler poetas. E é a leitura que dará estofo para que aprenda o básico: conhecer as regras da gramática, as figuras de linguagem, a acurácia semântica e a hermenêutica do contexto.


Escrever bem requer ler muito, ler com atenção, ler com desejo de aprender com a leitura. Você pode até ser um bom poeta mantendo fragilidades na formação, mas isso vai ser, em algum momento um barreira, para o seu desenvolvimento como tal.


E, acredite, ser poeta é, antes de tudo, ser um profundo conhecedor de si mesmo e da sua relação com o outro e com o mundo. O sentimento de desencaixe, de insatisfação e essa inquietação são fundamentais para nutrir o ethos de um poeta. Mas, por outro lado, eles não bastam, pois para ser poeta é preciso conjugar a complexidade do mundo com a simplicidade das coisas que saltam do mundo para nossos olhos.


Poeta é aquele que vê e, nalguma medida, consegue registrar a poesia do mundo.


Grande abraço,


Giovani Miguez.


E para você, o que é preciso para ser poeta? Diz aí...

ou gato liberal


O gato está aninhado no beiral.

Não tece filosofias sobre o existir.

Dormindo, ronrona sob o sol

que, ao entardecer, quer partir.


O dia passou. O sol veio e foi dormir.

O gato não precisou de carapaça,

apenas da sua vocação para dormir

enquanto o dia lentamente passa.


O bichano não tem muita pressa,

pois o seu dia é apenas preparativo

para uma noite cheia de atrativos.


O gato que passou o dia todo mole,

ao chegar da noite perde o controle;

diante da fome, avança sobre a presa.


por Giovani Miguez, em Poemáticas.




da argila à nuvem

só vertigem: imagem e linguagem



a mentira é morta

quando a verdade importa



dívida é histórica

não se paga com retórica



não sei se canto, conto

ou deixo de ser tão tonto



se faço verso? não sei

não faço questão, cansei


dísticos por Giovani Miguez, em Poemáticas.