A morte do ideológo

Olavo de Carvalho morreu, mas ainda não foi silenciado.


Não acho descente comemorar a morte de ninguém, mesmo que esse ninguém seja o ideólogo Olavo de Carvalho. Por isso, não comemorarei a morte dele, mas comemorarei o silêncio civilizatório que esse apagamento existencial trouxe.


É claro que as imbecilidades produzidas pela mente desequilibrada de carvalho ainda reverberarão em por algum tempo; sobretudo enquanto o fascismo bolsonarista ainda estiver reverberando como força política e ideológica. Esse cenário macabro, muito provavelmente seguirá até 2023, talvez 2024, mesmo com a derrota desse projeto necropolítico.


O tempo, entretanto, tende a enfraquecer todo esse negacionismo obscurantista, esse conservadorismo doentio e esse assanhamento fascista. Mas, reconstruir é sempre mais demorado e trabalhoso que destruir. O pós-Bolsonaro será um período de árdua reconstrução de valores humanos, sociais e, até mesmo, morais.


Na esteira da reação a este projeto de destruição, há uma certeza: qualquer conciliação entre trabalhador e burguesia é sempre contra o trabalhador mesmo que no curto prazo pareça ser uma solução sadia e que coloque em destaque pautas sociais importantes. Mas, por hora, isso se justifica pelos quilômetros de atraso que o bolsonarismo alimentado pela ideologia olavista nos fez retroceder. Teremos, infelizmente, que lidar com isso.


Eu preferia ver Olavo de Carvalho e o bolsonarismo derrotados em vida. Olavo voltando a ser um intelectual marginal e o clã Bolsonaro derrotado nas urnas, processados e presos pelos crimes que cometeram contra o Brasil e contra a humanidade.


Queria ver Olavo de Carvalho silenciado, mas não creio que a morte dele traga ao mundo e aos brasileiros esse silêncio apaziguador tão cedo. Olavo segue morto, mas suas ideias, ainda agonizarão por algum tempo entre os bolsonarista que seguem matando seja ideias, pessoas ou reputações.


É preciso seguir de luto e em luta. Não pelo Olavo, mas pelos valores civilizatórios que ele conseguiu contribuir para o adoecimento e impulsionou com suas ideias delirantes e deteriorantes.


__

Giovani Miguez

28.01.2022



DIVULGAÇÃO: Olavo de Carvalho, em cena do documentário 'O Jardim das Aflições', pratica tiro esportivo.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo