Do que tenho medo?

Soneto


Tenho medo da vida não vivida, daqueles sonhos não sonhados, amontoados e jamais realizados. Não temo a minha partida. Tenho medo dos falsos amores, daqueles penduricalhos de paixão que vão se acumulando no coração. Não temo as minhas dores. Viver vida não vivida me assusta. Vida não sonhada, que não se realiza nunca deságua em velhice vetusta. Vida levada de paixão em paixão é sempre cheia de emoção, mas dói. Vida assim nunca acalenta o coração.


6 visualizações