Kellem Reis, poema

A velha estrada dos túmulos!


No alvorecer, quando se olha para o Norte

Ore e deseje a piedade e muita sorte

Siga de mãos postas e postura forte

Em linha reta, eternamente sem corte

.

A velha estrada dos túmulos assombra

Perturba pensamentos de sãos e loucos

Estando nela, cuidado até com sua sombra

Pois nela já se foram... e não foram poucos!

.

O assovio do vento é ensurdecedor

Os galhos secos parecem dançar

Não há beleza, só tristeza e dor

E quem nela passa, teme não voltar

.

Sinos sombrios tocam uma canção

Falando do adeus que não pôde ser dado

E que os mortos das tumbas sairão

Arrastando seus corpos pelo chão empoeirado

.

Mas, ainda assim, no temor do anoitecer

A velha estrada dos túmulos faz todos pensar

Seja como curioso ou quem diz muito dela saber

Se é realmente nela que a Morte vem nos buscar...


...


Kellem Reis, 37 anos, nascida e residente em Contagem/MG. Criadora e administradora do IG @meustextos1983. Colaboradora do IG @asfenixs, Autora do livro “Rosas não Choram”, editora @palavraeverso. Sugestão de música para esse texto: 🎵Ain't No Grave - Johnny Cash



Foto: Divulgação

...


[ Regras ]

Os interessados deverão enviar os poemas para giovanimiguez@gmail.com seguindo as seguintes orientações:


1. enviar, em arquivo word com até três poemas, um conto ou uma crônica de no máximo uma pagina cada, fonte Arial 12, paragrafo 1,5.


2. no final dos uma biografia de até 5 linhas, informando o seu perfil no Instagram.


3. anexar ao e-mail uma foto sua na horizontal.


4. deve constar no assunto do e-mail informações no seguinte formato: "Umanisté blog - Submissão de texto autoral - Nome".


5. Você poderá enviar até dois textos em cada gênero, desde que estejam cada texto em arquivos separados.


Espero seu texto!

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo