Monique Lima, poemas

O meu pedágio poético de hoje é especial. Pois ele é mais que simples homenagem a um poetisa incrível, mas tem um plus, vem junto com um trabalho da Verver, um grupo musical que é poesia pura!


Com vocês, Monique Lima, divina!


drink de moça


Tome-se o conteúdo

de uma garrafa de vidro

adorne o artefato até o pavio

inflame com iras de recato e doma

Na boca

um lenço à mão bordado

suave acenda o rastilho

de contra o patriarcado


(sem título)


A língua espana a poeira da poesia.

A língua estranha.

Estranha as entranhas da língua.

A língua estampa.


Palavra lambe vida e rima

versa verso e filosofa.

Poema é canto

que a palavra fia

da furna ao cimo,

em um átimo,

um ímpeto

de risco

orgástico.



Monique Lima (@m26dejulho) é filha da classe popular, artista de rua, letrista da banda verver (@ververoficial), educadora e cursa o doutorado na Unicamp, com pesquisa na área da sociologia da cultura. Brinca à sério arte e educação, cultura e sociedade.


A seguir o plus prometido!


MOSAICO


De Gabriel Falcão (arranjo)/ Monique Lima (letra)


... Para publicar seus poemas, fale comigo. [ Regras ] Os interessados deverão enviar os poemas para giovanimiguez@gmail.com seguindo as seguintes orientações: 1. enviar, em arquivo word, até três poemas de no máximo 15 versos cada. 2. no final dos uma biografia de até 5 linhas, informando o seu perfil no instagram. 3. anexar ao email uma foto do poeta na horizontal. 4. deve constar no assunto do email nome do poeta no seguinte formato: "Umanisté blog - Submissão de poemas - Nome do Poeta".

0 visualização