Por sorte*

Meu destino

eu mesmo estremo.

Apenas miro no caminho,

sem focar no paradeiro,

Diante do derradeiro,

não desatino,

apenas escolho a porta

em qual vou me abrigar

até a tempestade

dissipar.


Por sorte,

senhor, não temo

essa tal de morte.

Sou de caminhar!


Não sei se ficarei,

pois sou caminhante,

não me acomodarei

ao instante,

Dia após dia,

vou evitando empoderar

essa tal melancolia

que insiste em me abraçar,

pois sei que vai passar,

é questão de paciência

e persistência.


Por sorte,

senhor, não temo

essa tal de morte.

Sou de perseverar!


(10.03.2020)


* Gratidão à Bianca Sparrapan pela sugestão do título.



0 visualização