Renan Caíque, poemas

Este é o quarto homenageado pelo nosso Pedágio Poético.


Confesso que a postagem de hoje vem carregada de felicidade. Mais de cinquenta poetas e poetisas mandaram seus poemas para nós até o momento. Creio que isso nos obrigará a postar com mais frequência que o pretendido inicialmente.


Peço paciência aos que enviaram seu poemas, mas garanto que todos serão pulicados.


Hoje, vamos de mais uma boa safra da poesia mineira.


Com vocês, Renan Caíque!


Suspiros Poéticos


Sorrio e pranteio pelo teu sorriso,

O mais belo que eu já pude contemplar.

Dizer que és um anjo do paraíso

Seria eufemismo para te explicar:


Tu és mais! Mas não há como eu ser preciso

Ou não me tornar indeciso em te amar

E te descrever, por seres qual Narciso,

Pois te apaixonaste por teu próprio olhar.


Os teus olhos são os versos mais bonitos

E doces, jamais podendo ser escritos

De tão perfeitos... qualquer que seja a lira!


E se invejo o vento por tocar-te inteira,

É por me encantares tu de tal maneira

Que ao lembrar-me de ti minha alma suspira!


O silêncio entre nós


Eu te contemplei em poucos momentos,

E estes foram tão fugazes, tão frios,

Sumiram como lágrimas que a fio

Foram soltas no vazio dos ventos;


E cada segundo desses eu lamento

Por ter deixado um silêncio sombrio

Que entre nossas almas é como um rio

Que separa a alegria do tormento,


Pois só agora, olhando-te, eu vejo

Que aproximar-me é o que mais desejo;

Pergunto-me se fui perceber tarde,


Mas quem sabe também nunca foi cedo?!

Só sei que fartei-me de sentir medo

E o Amor em meu triste espírito arde!


Dualidade


Em meus lábios surge um triste sorriso

Que exala agonia e solidão apenas...

Dormem no silêncio de minha alma as cenas

Que outrora eram parte de um paraíso.


Às vezes lembranças belas e serenas

Tornam-se suspiros negros, e é preciso

Olvidá-las pra não verter sobre o riso

Do passado lágrimas de eternas penas.


Meu coração pálido chora na treva

Por não deslembrar o Amor que me leva

Para o mais profundo inferno interior.


Eis a dualidade atroz da existência:

O encanto sublime que traz decadência,

E a paz decadente que faz o Amor.


Renan Caíque é de Teófilo Otoni/MG, tem 26 anos e escreve desde os 13, influenciado por poetas como Álvares de Azevedo, Lord Byron, Florbela Espanca e Edgar Allan Poe. É autor do livro de poesias O Mal do Século (2018), pela Editora Círculo Soturnos e criador do canal Sussurros Poéticos. Instagram: @renan_tempest





...


Para publicar seus poemas, fale comigo.


[ Regras ] Os interessados deverão enviar os poemas para giovanimiguez@gmail.com seguindo as seguintes orientações: 1. enviar, em arquivo word, até três poemas de no máximo 15 versos cada. 2. no final dos uma biografia de até 5 linhas, informando o seu perfil no instagram. 3. anexar ao e-mail uma foto do poeta na horizontal. 4. deve constar no assunto do e-mail nome do poeta no seguinte formato: "Umanisté blog - Submissão de poemas - Nome do Poeta".

30 visualizações