Restauros

primeiro caderno de 2021


E, FIM...


a música parou

um céu sem estrelas

o vento soprou

trouxe algumas querelas

sob a imensidão

o silêncio, a solidão

grilos falantes

mudos...

alguns instantes

desnudos...

acabou

tudo.


RESTAURO


nasci das cinzas expelidas de mim

dos restos ranzinzas depositados

verti das chamas da alma

na poesia que declamas

mas, vá com calma

pois a carne, esse amontoado

esse escarne restaurado

está no caminho

tudo é só restauro

eterno looping

instaurado

para nosso doping

sobre o passado.


( por Giovani Miguez )




10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo