Versos para o eu

O som que ouço, dizer eu não ouso. Sinto-me só. Na garganta um nó. Egoísta que sou, não imagino como começou esse martírio. Foram necessários anos nesse calvário de mergulho profundo. Enfim, enxerguei que tudo que passei não foi tão absurdo. . Era meu o trajeto, apesar de claramente abjeto. Não foi um projeto. Foi obra do acaso, um triste desacato, um descaso.


(09.04.2020)



0 visualização